Dos quatro novos vice-presidentes da Caixa, apenas dois são empregados do banco | Portal
08/11/18 10:58

Dos quatro novos vice-presidentes da Caixa, apenas dois são empregados do banco

4.jpg

As novas nomeações à vice-presidência da Caixa Econômica Federal representam mais um passo ao desmonte do banco público. Dos quatro novos vice-presidentes da Caixa, dois são do mercado privado. As áreas de atuação dos nomes escolhidos são de Governo, Fundo de Governo e Loterias, Corporativo e Habitação.

O novo vice-presidente Corporativo é o economista João Eduardo de Assis Pacheco, que já atuou em instituições privadas Santander, Safra e Mercantil de Investimentos. Em Governo, quem assume é João Carlos Gonçalves da Silva, também economista, já trabalhou como assessor técnico em privatizações como no caso da Cedae, na SPDA (Companhia São Paulo de Desenvolvimento e Mobilização de Ativos) e nos bancos ABC Brasil e Fator.

Já os outros dois vice-presidentes nomeados são empregados da Caixa, Jair Luis Mahl (Habitação) e Roberto Barros Barreto (Fundos de Governo e Loterias). Ambos atuam hoje como diretores-executivos da CEF.

O novo procedimento para a seleção da diretoria do banco, faz parte da alteração do estatuto da da Caixa, que inviabiliza a indicação partidária aos cargos e determina que a escolha de profissionais seja feita através de uma empresa de recrutamento. Essa mudança tem como principal objetivo combater a corrupção e o aparelhamento político.

Esse novo estatuto, que deveria ser aplicado para que houvesse o aproveitamento de empregados da instituição e para a valorização de carreiras internas, na verdade, vem sendo utilizado como mecanismo de brechas que possibilitam, a passos largos, o ingresso do setor privado na gestão pública do banco.

“A qualquer custo a gestão da CEF cria manobras que minimiza a representatividade da Caixa no mercado de trabalho, com artifícios que fortalecem o discurso privatista do banco. Não podemos permitir que a instituição continue adotando caraterísticas de empresa privada”, refutou Paulo Matileti, Presidente da APCEF/RJ.

 

Compartilhe