DE BANDEJA! Caixa vai entregar à iniciativa privada ativos de loterias, cartões, seguros e gestão de recursos | Portal
04/02/19 12:30

DE BANDEJA! Caixa vai entregar à iniciativa privada ativos de loterias, cartões, seguros e gestão de recursos

DE BANDEIJA_ Caixa vai entregar ativos de loterias_ cartoes_ seguros e gestao de recursos_ afirma Pedro Guimaraes.jpg

A Caixa Econômica Federal pretende se desfazer de quatro subsidiárias da estatal nas áreas de loterias, seguros, cartões e gestão de recursos. O anúncio, feito por Pedro Guimarães, presidente da Caixa, durante evento do banco Credit Suisse, em São Paulo, decreta o declínio do caráter 100% público da CEF.

Segundo Guimarães, “a proposta não é vender 100% da participação da CEF, mas fazer uma abertura de capital aos poucos”, ou seja, tornar o banco que é 100% público em economia mista, dando aval para que a iniciativa privada abocanhe parte do patrimônio da estatal.

O presidente da Caixa disse ainda que pretende dar início ao desmonte dos quatro ativos ainda este ano, vendendo pelo menos dois deles, começando pela Lotex. De acordo com estimativa de Guimarães, até junho de 2020, as subsidiárias estarão com capital aberto. Todas terão suas ações ofertadas nas bolsas de São Paulo (B3) e de Nova York.

Ainda em pronunciamento, Pedro Guimarães afirmou que o banco tem a meta de fazer R$ 100 bilhões em securitização (venda de direitos a receber) de crédito imobiliário, investir no mercado de maquininhas de cartão e cartão de crédito consignado.

O que é mais preocupante são os rumos que a estatização da CEF tomará a partir dessas medidas privatistas, que sentenciam a Caixa 100% pública — em ritmo acelerado — a abrir suas portas para entrada do mercado privado.

“As decisões articuladas por Pedro Guimarães só comprovam, com clareza, o foco do governo em desestatizar o maior banco público do País. A desconfiguração de caráter público do banco prioriza apenas o rentismo do capital privado e desvaloriza o papel da Caixa 100% pública quanto a inclusão social e distribuição de renda da população brasileira”, pontua Paulo Matileti, Presidente da APCEF/RJ.

Compartilhe